sexta-feira, dezembro 19, 2014

Coisas Simples Brilham no Céu como Diamantes!

Sem dúvida alguma, quem critica a tecnologia e seu avanço constante está dando um tiro no pé, pois ninguém mais vive sem ela e jamais viverá, mas se você tem mais de 40 anos deve se lembrar de certos “brinquedos” ou “brincadeiras” que nos deixaram saudades. Coisas sem nenhuma tecnologia a não ser a tecnologia de nossas habilidades. Um exemplo é o futebol. As bolas eram de couro e pesava o dobro das de hoje, mesmo assim ao acabarem nossas “peladas” limpávamos, passávamos um “sebo de boi”, deixava secar e guardávamos com todo carinho para a próxima, pois era uma coisa rara e cara, nem todos tinham. Hoje em dia, as bolas são de tecidos sintéticos e praticamente descartáveis. Tínhamos também o “Bilboquê” em que passávamos horas treinando ou disputando para ver quem acertava mais a vareta no buraco da esfera de madeira. Este jogo nos permitia aguçar nossos reflexos. Tínhamos também o “carrinho de rolimãs”, um tipo de “fórmula um” de nossa infância, só que em vez de motor, éramos empurrados por um colega e, sem ele, em alguma descida e, era dirigido com os pés e não com as mãos. Este brinquedo acredite ou não, ajudou muitos campeões de corridas de automóveis, pois adquiram habilidades de direção no percurso. E quem não se lembra do jogo do jogo de “Betes”, onde era jogado em duplas. O objetivo principal do jogo é fazer corridas exaustivas com a bola lançada pelo jogador adversário, sendo que durante o tempo em que o adversário corre atrás da bola, a dupla que rebateu devia cruzar os “betes” chamados de tacos, no centro do campo, fazendo assim pontos cada vez que cruzavam. Este jogo proporcionava a criança um preparo físico e uma resistência invejável. Quem praticava desta “brincadeira” chegava às aulas de “Educação Física” e se destacavam no futebol e outros que exigiam força extrema. 
O tempo foi passando e surgiram novos “passatempos” como o “Banco Imobiliário” que até hoje é praticado por milhões de pessoas mundo afora, assim como o “Xadrez” e “Dama”. Jogos que através da participação ocasional ou organizada, visa equilibrar a saúde ou melhorar a aptidão física e/ou mental e proporcionar entretenimento aos participantes. Esses exemplos são poucos para que, no bom sentido, a “molecada” de hoje revejam seu afazeres. Como disse acima, não temos como correr da tecnologia. Hoje é praticamente impossível correr do “celular” e principalmente do “computador” ou, seremos esquecidos. Muita gente acha que quem não usar essas tecnologias não são capazes, ao contrário, se você vive somente em um mundo tecnológico, pense bem, pois quem irá assentar o piso ou fazer a pintura de sua casa? Pelo que eu saiba, ainda não inventaram o operário virtual. Sabem por que resolvi escrever esse artigo? Porque resolvi fazer uma pequena horta aqui em casa. Pulei do “computador” para a “enxada” e estou a dois dias andando igual a uma tartaruga, só que dor em todos os lugares do corpo. Que vergonha, pois em meus velhos tempos eu jogava “Betis”, jogava “Futebol”, nadava em qualquer tipo de rio, mergulhava em qualquer tipo de lagoa e ficava mais de 4 minutos embaixo d’água. Subia em árvores, remava como ninguém. Eu era um tipo de “bambambã” e tinha um preparo físico, não de atleta, mas que dava inveja a muita gente e, por isso me lembrei do passado. Ainda bem que meus “cabelos brancos” não foram em vão por reconhecer onde errei. Claro que vou continuar ouvindo meus “Beatles”, Jovem Guarda e meu ídolo “Elvis”. Só que vou olhar para trás e tentar resgatar, não os hábitos de antigamente, mas os conceitos. Se você tem mais de 40, ou mesmo menos, aprenda ou resgate estes hábitos que são verdadeiros tesouros. Até a próxima.

terça-feira, dezembro 16, 2014

“ACREDITAR é o primeiro passo para o MILAGRE”

Esta frase, assunto da minha mensagem, eu coloco a mais de quatro anos no final de todos meus avisos que envio aos meus amigos leitores. Já me perguntaram de quem é esta frase, só que eu não sei, coloquei a primeira vez sem ver em lugar algum, sendo assim ou é minha ou uma coincidência de pensamento, pois acredito piamente que temos que “Acreditar” nas coisas, se não, nossas vidas não teria sentido. Outro dia me questionaram porque mesmo “Acreditando”, o “Milagre” nunca vem. Fiquei mudo, até porque como é que vou saber se o “Milagre” não veio, pois que eu saiba só uma pessoa sabe como fazê-lo, mesmo por intermédio da Igreja ou de alguém muito iluminado, através de Jesus Cristo. A única coisa que eu sei e 99% das pessoas sabem que ele existe. Pode até tardar, mas acontece, é só acreditar e saber esperar a sua hora, se é que você mereça o “Milagre” que está esperando, já que não adianta nada ficar esperando e não fazer nada para que ele aconteça. É igual aquele velho bordão onde um “cara" pede a Jesus para que ele ganhe na Mega-Sena Jesus responde: “Eu posso até te ajudar meu filho, mas pelo menos jogue”. Não sei se está explicado, mas é assim que entendo. Sabe o porquê penso assim? É por que a maioria de nós somos assim, inclusive eu, espera cair do Céu. O problema é reconhecer isto e tentar mudar as atitudes. É o famoso “correr atrás”. Procurar melhorar a cada dia. Não ficar esperando um “Milagre” que nem Deus pode te dar a, não ser que você faça por onde merecê-lo Mas o motivo deste artigo é que está chegando o fim de ano, e como disse “Carlos Drumond de Andrade”Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o “Milagre” da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente. 

Muita gente ao final do ano pensa só em festa, mas não sabe o significado do “Natal”. “Natal” é uma festa Cristã em que se comemora o nascimento de “Jesus Cristo”, figura central do Cristianismo, nascido em 25 de dezembro. Só que muitos, na maioria das vezes, inclusive eu, tornam esta data como se fosse apenas uma festa ou feriado esquecendo-se de dar parabéns ao aniversariante. De fazer desta data uma espécie de meditação e confessamento de seus pecados e apenas pedindo “Milagres”, que se não acontecerem no ano vindouro desacreditam no verdadeiro valor do “Milagre”inclusive eu. Não me interessa que religião você pertença, o que interessa é que esta data é o ingrediente que identifica a “Fé”, apontam para a “Fé”, se concretiza em demonstração de amor, solidariedade para com os mais pobres, pelos mais necessitados de compreensão, de perdão, de oportunidade para que todos tenham uma vida digna para lutar pelos seus ideais e conquistar o verdadeiro “Milagre” que todos esperamos inclusive para nossos familiares com algum tipo de intolerância pela sociedade, doenças e as demais coisas que nos deixam às vezes a não acreditar em “Milagres”. Só que ele existe de verdade e pode acontecer a qualquer momento, quando menos esperamos. Sendo assim a palavra é “Acreditar”.  Até a pessoa “Cética” que não acredita em nada, que duvida principalmente deste tipo de discussão, mesmo assim nesta época “balança”, ao notar a “Fé” nos outros que acreditam, gerando dúvidas a sua própria crença, seja lá qual for. Portanto amigos e familiares. Desejo a todos vocês um “Feliz Natal”, data de nascimento de Cristo e um ano novo repleto de prosperidade, saúde e, além de sorte, que você acredite que o “Milagre” realmente existe. E só fazer por aonde que ele virá, pois “ACREDITAR é o primeiro passo para que ELE se concretize”. Um grande abraço de seu amigo Eduardo Doroteu e família. 
edudoroteu@gmail.com - www.facebook.com/ze.duda

sábado, dezembro 13, 2014

Porque não?

Estamos passando uma das fases mais difíceis de nossa história. Seja em nossas famílias, no estado em que pertencemos e, no governo federal ao que todos nós nos submetemos.  Em nossas famílias, onde temos que programar nossos valores e orçamentos para “sobrevivermos”, por mais que honestamente e fazemos nossos esforços, sempre fica faltando alguma coisa. E de quem é a culpa? Para os governante é nossa. Como assim? Não pagamos nossos impostos? Pagamos sim. Em todos os produtos que compramos e consumimos tem pelo menos, na media, 30% de impostos nos preços. Para quem não sabe, só pagamos impostos para ele voltar em serviços do governo para o que cidadão tenha principalmente: Saúde, Educação e a Segurança, sem falar em outros que precisamos e merecemos. E o que vemos em todo o país? Vemos uma gestão falha, mas não para o cidadão que não recebem o “Bolsa Família”. Não que eu seja contra programas sociais, mas este programa que foi feito para proteger aqueles que não têm a mínima condição de sobrevivência possa sobrevier, e isto é louvável para qualquer governo, que nada é mais que uma obrigação, só que fizeram deste “programa” um instrumento eleitoreiro que o levou por água abaixo. Se assim não fosse, não teríamos mais de 13,5 milhões de famintos no Brasil, segundo a ONU. Enquanto tem gente que toma uma garrafa e vinho ao custa de 99 mil reais, tem gente que para ganhar isto, levaria 136 anos para juntar tanto dinheiro colocando o salário mínimo a 724 reais. “Cê” tá achando que eu estou exagerando? Então vá lá a uma adega no “Shopping Iguatemi” no final da Asa Norte em Brasília e pergunte se não tem clientes que pelo menos duas vezes por semana adquire este tipo de produto. Agora eu pergunto: Será quem compra este “vinho” são pessoas assalariadas? Não! Com certeza este dinheiro é aquele que vem fácil e que certamente irá da mesma forma. Com esse dinheiro daria para matar a fome de milhares de família. Sendo assim, por que não protestar? 

Às vezes as pessoas pensam que nós, que vemos tantas discrepâncias, falamos isto só porque somos de outros partidos opositores às ideias do governo e “ferrar”. Nada disso, pelo menos em minha opinião, o que está em jogo são nossas vidas, sejam os famintos, os das classes médias que batalham para uma vida melhor, ou ricos que fizeram de suas habilidades honestamente, uma vida de conforto. Nada disso, pois a riqueza de um país se dá pelo seu desenvolvimento, para aqueles que investem seu dinheiro para formarem seus comércio e negócios para dar emprego aos cidadãos viverem dignamente e, não de esmolas, são pessoas que dão emprego a mais e 90% da população. Sendo assim, devemos estar atentos para que esse novo (velho governo) tenha aprendido com os erros do passado para que possamos progredir em nome daqueles que pagam os verdadeiros impostos, que são o povo. O mesmo povo que hoje cobra nas ruas nossas prioridades. Eu não queria falar em nomes, mas sou obrigado a dizer, já que também faço parte do “povão”, que a presidenta Dilma, que segundo ela, tanto lutou para uma democracia e igualdade. Que ela puna seus próprios “companheiros” que vivem roubando o erário e não seja tão fiel aos “seus” mesmo sabendo que estão errados. Que “ela” dê as costas para quem só quer o poder, pois este mesmo poder, pode ser tirado de suas próprias mãos assim que ela tomar medidas que possam ser discordantes dos seus ideais ou de seu partido. O mesmo partido que ainda acha que como nossos colonizadores, Portugal e os europeus que enviaram para o Brasil, assassinos, ladrões, feiticeiros, hereges e degenerados, cujo castigo era viver, por alguns anos ou para sempre, em uma terra distante, entre feras e índios antropófagos. Só eu o Brasil cresceu e ciou sua própria identidade. Somos um povo ovacionado mundo afora por sua alegria, mas também conhecido como um povo que aceita a “corrupção” sem mover uma só palha. Se a senhora quiser mudar isto, tá na hora. “Porque não”? Até a próxima!
“ACREDITAR é o primeiro passo para o MILAGRE”

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Quando as Portas se Fecham, Abrem-se Janelas!

Já notaram que quando passamos por situações difíceis, em que dá tudo errado, e quando batemos de porta em porta e nenhuma delas abrem? Nessas horas de tribulações, principalmente, até os amigos somem. São situações que aparentemente não oferecem alternativas, mas elas existem, pois quando alguém te fecha uma porta, Deus pode estar te abrindo uma janela melhor que esta porta fechada que te faz infeliz e te levando para a vitória. Quando dá tudo errado o que planejamos a primeira coisa e colocarmos a culpa em alguém, mas nestas situações de “portas fechadas”, fatalmente a culpa é nossa mesmo. Fazendo uma auto avaliação, depois da missa de domingo, onde questionei Deus porque as coisas não andam em minha vida e nenhuma porta se abre, cheguei à conclusão que o culpado sou eu. Nem sempre a culpa é do chefe, do diretor ou daquele colega que ter persegue. São erros que cometemos e cometeremos sempre, pois somos todos imperfeitos. Só que aquele que te fecha à porta, se julga melhor ou até perfeito, não percebe que portas não são intransponíveis, pois que entra por uma porta, fatalmente terá que sair mesmo com o sucesso pleno e abrir novas portas para seguir em frente, a não ser que leve as chaves para que ninguém possa conseguir o mesmo, o que se transforma em mesquinhez e maldade. É a mesma coisa do comandante que abandona o barco quando ele está afundando, deixando sua função principal que é salvar antes seus passageiros. Infelizmente, hoje em dia as pessoas para atingirem o sucesso fazem qualquer coisa, como em vez de subir degraus, usam pessoas como escadas, pisoteando-as. Avalie bem a situação e se for possível, o quanto antes mude de atitude e mostre para as pessoas o seu lado humano e de fé. Tenho certeza de que a partir de agora as portas vão se abrir. Deus muda as situações difusas, confusas e difíceis por atos que muitas vezes consideramos impuros e inapropriados. “Seja humilde para corrigir seus erros, inteligente para aprender com eles e maduro para corrigi-los”.

Acho que muitos já viram o texto de despedida do ex-presidente da Coca-Cola, Bryan Dyson, mas é sempre bom sempre ler isto para ensinamentos para nossas vidas. Para quem ainda não leu, guarde sempre esta pérola e medite: “Imagine a VIDA como um jogo em que você esteja fazendo malabarismos com “Cinco Bolas no Ar”. Estas são: Seu trabalho; Sua família; Sua saúde; Seus amigos, e; Sua Vida Espiritual. E você terá de mantê-las todas no ar. Logo você vai perceber que o trabalho é como uma bola de borracha, se soltá-la, ela rebate e volta. Mas as outras quatro bolas: Família, Saúde, Amigos e Espírito, são frágeis como vidros. Se você soltar qualquer uma destas, ela ficará irremediavelmente lascada, marcada, com arranhões, ou mesmo quebradas, vale dizer, nunca mais será a mesma. Deve entender isto: tem que apreciar e esforçar para conseguir cuidar do mais valioso. Trabalhe eficientemente no horário regular do escritório e deixe o trabalho no horário. Gaste o tempo requerido à tua família e aos seus amigos. Faça exercício, coma e descanse adequadamente. E, sobretudo... Cresça na sua vida interior, no Espiritual, que é o mais transcendental, porque é eterno. Shakespeare dizia: “Sempre me sinto feliz, sabes por quê? Porque não espero nada de ninguém. Esperar sempre dói”. Os problemas não são eternos, sempre têm solução. O único que não se resolve é a morte. A Vida é curta, por isso, Ame-a! Viva intensamente e recorde: Antes de falar, escute! Antes de escrever, pense! Antes de criticar, examine! Antes de ferir, sente! Antes de Orar, Perdoe! Antes de gastar, ganhe! Antes de render, tente de novo! Antes de morrer, viva. Parece brincadeira, mas enquanto eu estava revisando e formatando esta postagem, me ligou um amigo do Blog me oferecendo uma representação de uma grande empresa de “Granitos” do estado do Espírito Santo. Tudo a ver,  não é? Obrigado Senhor. Até a próxima.
“ACREDITAR é o primeiro passo para o MILAGRE”

quinta-feira, dezembro 04, 2014

O Perigo de uma Democracia que corre Perigo!


Depois da renúncia de Jânio Quadros em 1961, assumiu a presidência seu vice, João Goulart. Ele com ideias “socialistas”, logo após assumir, assinou decretos permitindo a desapropriação de terras numa faixa de 10 km às margens de rodovias, ferrovias e barragens. Assinou também um decreto transferindo para a União o controle de cinco refinarias de “petróleo” que operavam no país e transferindo para a União. Além disso, prometeu realizar as chamadas reformas de base, uma série de mudanças administrativas, agrárias, financeiras e tributárias que feriam os interesses da classe média e da elite, que trabalharam duros para conseguir. Ele também pretendia fazer uma “reforma urbana” e a implementação de um imposto sobre grandes fortunas. Foi aí que ele se deu mal, pois se o Brasil, se não era democrático, muito menos queria ou entendia o que era socialismo ou comunismo para entender tais reformas a não ser uma minoria de brasileiros que faziam festa pela Revolução Cubana em 1959, inclusive expulsando de seu território os americanos, que prometeu um regime igualitário e hoje vemos no que deu, o povo ficou mais pobre e o rico que não conseguiu fugir “desapareceu” com o tempo, sabe-se lá como. Tá na cara que esse regime não deu o resultado, pelo menos para seus cidadãos. Foi, segundo historiadores que “militares” tomaram o poder em 1964 e pasmem, com as manifestações públicas chamadas de: “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. O povo insatisfeito com tantas mudanças radicais foi para as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro e insuflaram os “militares” a derrubar o regime que queria ser totalitário que ninguém sabia para que rumo fosse. E agora, depois de tanta luta do povo para derrubar o regime militar de 1964 a 1985, o que vemos é a nossa tão sonhada “democracia” correndo perigo novamente, pois o povo, ainda que minoria começasse a ir para as ruas com o mesmo propósito das “marchas” de 1964. E isto é um perigo eminente no momento. O que vemos na política brasileira é a economia indo para o buraco através do mal gasto do governo e da “corrupção” que se instalou em todo meio político. 

Este mesmo governo que entrou com o apoio do povo e que prometia combater a corrupção e fazer reformas de bases hoje como reforma agraria e outras, agora é refém das grandes empreiteiras que têm capacidade técnica para construir grandes obras, se não der uma contribuição (propina) da quantia cobrada em suas obras, estão fadadas a serem substituídas por outras que talvez não tenham a mesma capacidade, cobrando um superfaturamento e contratam outras que têm para realizá-las. É só olhar o que está acontecendo com a nossa maior empresa e que era orgulho de todos os brasileiros, a “Petrobrás”. Tudo isto, segundo os especialistas, Ministério Público, TCU e os órgãos de polícia e inteligência, em nome de enriquecimento ilícito e para campanhas eleitorais para se perpetuarem no poder. Fora isto, o governo com sua ampla maioria no congresso conseguem aprovar qualquer tipo de Lei, mesmo inconstitucional como esta aprovada ontem onde para fugir de um crime de Lei, a “responsabilidade fiscal”, mudando-a para se “anistiar” de tais crimes, inclusive fechando o “congresso” para os cidadãos que “eles” mesmos diziam que era a “casa do povo". Se a própria presidente queimou uma Lei para se livrar de uma má gestão econômica, imaginem agora o que vai virar, pois todos os governadores e prefeitos Brasil afora irão fazer o mesmo. Aí, pode se formar uma bola de neve que poderá durar anos para derretê-la. Na verdadeira “democracia”, todos os cidadãos participam igualmente com seus representantes eleitos na proposta no desenvolvimento e na criação de Leis, exercendo sua cidadania não interessando as condições sociais, econômicas e culturais. O governo deveria avisar ao povo brasileiro que iria tomar medidas drásticas para que o Brasil consiga equilibrar suas contas, e não enfiar um uma lei na garganta do cidadão e do mercado e o resto que se dane. Isto é “Democracia”? Só se for à democracia do Fidel e do Maduro da Venezuela que não tardará a cair. O povo está nas ruas, estão fazendo protestos nas redes sociais que antes não existia e que é um meio poderoso para se formar opiniões. Isto sim é “Democracia”, que mais do que nunca, corre perigo. Até a próxima. 

terça-feira, dezembro 02, 2014

Quem Vive de Passado é Museu, Mas Nunca Vire as Costas Para Ele!

Esta frase: “Quem vive de passado é museu” é mais velha que o “rascunho da Bíblia”, e nunca fiquei sabendo quem é o autor dessa pérola. Seja lá de quem for essa frase é muito intrigante até para os maiores pensadores que concordam ou discordam de sua verdade. Eu também acho que para alguns fatos que aconteceram de ruim ela é bem aplicada, pois temos que esquecer e tocar a bola pra frente no presente, só que eu acho que nunca devemos virar as costas para o “passado” seja para momentos desagradáveis que aconteceram e muito menos para coisas boas que nos faz lembrar com ternura o que não se vê mais hoje em dia. Só que como disse o mega empresário “Henri Ford”: “O passado serve para evidenciar as nossas falhas e dar-nos indicações para o progresso do futuro”. Sendo assim, “quem vive de passado não é museu algum”, Quando Ford disse isto, acho que ele se referia ao seu meio comercial, só que isto também é aplicado em nossas vidas pelas falhas que cometemos seja no meio familiar, com os amigos, nos estudos e principalmente no trabalho, pois quem não recorda dos erros do passado certamente está condenado a repeti-lo. Não quero ser o dono da razão e nem tenho pretensão disso, mas para mim o “passado” é o maior professor que uma pessoa possa ter. Quantas vezes você já não falou: “há se eu tivesse feito o contrário”, em vez de jogar futebol estudar, em vez de dar valor aquele amigo (a) eu o desprezei, em vez de trabalhar com afinco eu misturei a responsabilidade que a mim confiaram por coisas que não me levaram a lugar algum. Em vez de cuidar dos meus filhos eu deixei ao Deus dará e agora talvez seja tarde para consertar. Aí entra um sentimento muito sério que é o “arrependimento” que nos leva muitas vezes a um sentimento de “culpa” e “tristeza” que nos dias de hoje é modernamente chamados de “depressão”. Viu como o “passado” não é uma coisa tão desprezível assim? 

Só que o que não devemos fazer é ficar preso ao “passado”, pois o “presente” deve ser vivido com afinco, mas como disse lá atrás, corrigindo ao maior número possível de erros que cometemos. É possível? Claro que é, pois na verdade, pelo menos no meu caso, lembro-me muito mais das “besteiras” que já fiz do que das coisas boas que eu proporcionei a mim mesmo e aos outros. O “presente” não mais é que aquela bela frase de “bola pra frente”. Devemos vive-lo para tentarmos realizar nossos sonhos de momento por mais difíceis que sejam de atingir, não se esquecendo de que o presente de hoje será o “passado” amanhã. Portanto, viva seu presente para tentar realizar as coisas por mais que sejam difíceis hoje em dia com tanta violência e injustiças que sofremos, e que também promovemos por querer sempre estar por cima e nunca olhar para baixo ou para trás. Ninguém tem culpa do seu insucesso, mas com certeza você será o maior responsável pelo seu sucesso, seja com a ajuda de outrem ou por si próprio. Já o “futuro” é uma incógnita, em razão de que ninguém pode prevê-lo. É bom trata-lo como “metas e objetivos” e não somente como sonho, pois você qualquer hora irá acordar, e aí pode ser muito tarde. É como diz o conferencista e autor “Dale Carnegie”: “A melhor maneira de nos prepararmos para o futuro é concentrar toda a imaginação e entusiasmo na execução perfeita do trabalho de hoje”. Sendo assim meus caros, nunca despreze nada em sua vida, boas ou ruins. As boas não se deve desprezá-las, ao contrário, devemos preservá-las e tentar sempre fazer o melhor, já as coisas ruins depois de todo o aprendizado que elas nos proporcionaram, nunca mais cometê-las e, por conseguinte não persistir no erro. Se você acredita realmente que “quem vive de passado é museu”, nunca vire as costas para ele. Até a próxima.

sábado, novembro 29, 2014

Pi... Pi... Pi... Pi... Não Contavam Com Minha Astúcia?

Se você é jovem ainda, amanhã velho será. A menos que o coração, que o coração sustente a juventude que nunca morrerá! Existem jovens de oitenta e tantos anos, e também velhos de apenas vinte e seis! Porque a velhice, não significa nada! E a juventude volta sempre outra vez. Se você é jovem, amanhã velho será, A menos que o coração, que o coração sustente a juventude que nunca morrerá! Bom, vocês já viram de quem eu estou falando, do grande ator e escritor Roberto Bolãnos, idealizador dos seus principais personagens, “Chapolin Colorado” e “Chaves”. que morreu esta semana deixando saudades em todas as pessoas não interessando a idade. Podem me chamar de “babaca”, “Mané” e o que for, mas eu dou aqui o meu testemunho de “burrice ou de idiotice”, porque não só assistir o “Chapolin e o Chaves” desde quando o SBT colocou no ar em 1984. Naquela época, o mundo e a televisão estavam começando a se modernizar. Em qualquer programa, apareciam mulheres nuas, atores fumando drogas nas novelas e até programas que faziam a cabeça da juventude que estava florescendo. Enquanto isto, o “Chapolin Colorado” falava assim: “Não contavam como minha astúcia”? depois de toda trapalhada que fazia. E o “Chaves” falava: “Foi sem querer querendo e depois de levar uns cascudos do Seu Madruga” Simplesmente chorava: Pi... Pi.. Pi.. Pi, com toda pureza de sua alma. O “Chaves” mostrou para todas as crianças e principalmente para os adultos que a pureza existe. Que a pureza não está só em nossos pensamentos, pois a pureza tem que ser revelada de forma que nossos “pequenos”, filhos que ainda não aprenderam a serem puros, a serem um “Chaves” na vida. Menino pobre, sem pai nem mãe, que morava num barril e conseguia ter dignidade. O “Chaves” deve ser um exemplo para todos nós, não só crianças, mas na maioria de adultos que querem educar seus filhos. O “Chapolin”, mesmo desastrado, sempre foi um herói que nunca perdeu uma batalha para o mal, mal que hoje destrói famílias. 
Temos no Brasil um punhado de “Chaves”, crianças que dormem nas ruas, nos becos, nas periferias, nas mãos de um traficante qualquer sem quem nós, não só o governo, mas todos nós que viramos as costas para estes milhares de “Chaves” e “Chapolins Colorados”. O seriado “Chaves e “Chapolin Colorado” só não foram vistos pelas elites que se acham inteligentes ao ponto de falar que o programa era uma besteira. Só que esquecem que o mais importante do ser humano é justamente saber ser solidário, como o “Seu Madruga”, Dona Florinda, Chiquinha, Seu Barriga, a Bruxa do 71 e seu grande amigo Quico. O personagem “Chaves” é um grande aprendizado. Ele é puro, singelo, despretensioso, não tem maldades, não se importa com sua situação, não procura tirar proveito de ninguém, respeita a todos e quando levava “cascudo” ou desprezos. Ele é calmo e voltando para seu “barril”, levanta como se nada tivesse acontecido. Nunca falou um palavrão, nunca deu um “dedão”, nunca desrespeitou ninguém e, talvez seja por isso que morou no mesmo “barril” por todo este tempo. Os personagens “Chaves” e Chapolin Colorado” certamente ficaram em nossas memórias e não em cartilhas que ensinam os jovens a fazer sexo, como fez o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, hoje prefeito de São Paulo, alguns anos atrás. Roberto Bolãnos nos deu uma lição por escrever personagens que não atingem e não nos levam ao fundo poço do estágio da intolerância e da mesquinhez. O personagem “Chaves” nos dá uma lição pela sua pureza. O “Chapolin Colorado” nos dá uma lição pela justiça, pois todos os “vilões” se dão mal no final das histórias ao contrário de hoje em que todos os vilões são heróis e nó todos “otários”. O “Chaves” era um menino puro, burro às vezes, mas nunca desrespeitou o seu Professor Girafales” ao contrário do que acontece hoje, onde os alunos batem em seus professores. Muito obrigado “Chaves” em nome de seu eu criador.  Aprendi com você que ser pobre não é ser omisso e mostrar que podemos ter dignidade e mesmo atropelados, ter decência. Até a próxima.


quinta-feira, novembro 27, 2014

Um dia o Cara-a-Cara irá acabar!

Não é de hoje que a tecnologia vem afastando as pessoas. Primeiro foi uma “estranha” personagem que reteve muita gente em suas casas. Tenho até um texto que recebi de um amigo e que vou tentar reduzir, que dizia assim: Alguns anos depois que eu nasci, meu pai conheceu uma “estranha”, recém-chegada à nossa cidade. Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com esta encantadora personagem e, em seguida, a convidou viver com nossa família. A “estranha” aceitou e, desde então, tem estado conosco. Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial. Meus pais eram instrutores complementares... Minha mãe ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer. Mas a “estranha” era a narradora. Mantinha-nos enfeitiçados por horas de aventuras, mistérios e comédias. Ela sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência. Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro. Fazia-me rir, e me fazia chorar. A “estranha” nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava. Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. Meu pai nunca nos deu permissão para blasfêmias, palavrões, tomar álcool ou fumar, mas a “estranha” nos animou a tenta-lo e a fazê-lo regularmente. Falava sobre sexo com comentários evidentes, outros sugestivos, e geralmente vergonhosos. Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados pela “estranha”. Passaram-se mais de 60 anos desde que a “estranha” veio para a nossa família. Desde então; já não é tão fascinante como era no princípio. Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda a encontraria sentada em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou fazer-lhe companhia. Seu nome? TELEVISÃO. Agora ela tem um esposo que se chama COMPUTADOR e um filho que se chama CELULAR. 

Pois é, não que a tecnologia seja ruim, pelo contrário ela é espetacular e necessária, mas acho que as pessoas estão abusando. No início dos anos 90 o uso de aparelhos celulares era restrito a pessoas que tinham poder e dinheiro, ou no mínimo um investimento para as empresas que necessitavam falar com seus funcionários a qualquer momento, o que valia a pena o investimento. Hoje, o que vemos são as pessoas se distanciando mais e mais do famoso “cara-a-cara”, onde as pessoas conversavam vendo a expressão no rosto do interlocutor. Já cansei de ver vídeos na internet onde amigos se reúnem em um lugar qualquer e cada um pega um celular, hoje Smartphones de altíssima qualidade, com tal de ZAP-ZAP e poucas palavras trocam um com o outro. Outro dia vi um vídeo gravado por um dono de bar em que um casal passou 38 minutos sentados tomando apenas duas cervejas e que nem se quer trocaram um olhar, a não ser que eles estivessem conversando pelo “Celular”. E isto não acontece só nas classes A e B não, pois a classe C, pessoas com menor poder aquisitivo, às vezes têm os melhores aparelhos. Tiram fotos, gravam vídeos e etc. e em compensação andam com sandálias de borracha. Não que isto seja uma crítica, pois todos têm o direito de escolher aquilo que bem desejar só que acho que tudo na vida tem que ter prioridade. Se for mesmo necessidade, qualquer celular de menor porte hoje custa menos de 50 reais, mas parece que isso dá status, e isso é o que importa. Se eu estiver errado, escrevam e me corrijam, mas tem que me convencer, pois isto é uma coisa que nós vemos em todo lugar. Não há como correr desta triste realidade, infelizmente. O pior de tudo é que tem gente que tem mais de um celular ou um só como 4 chips, ou seja, 4 números diferentes. Será que tudo isto é necessário? Hoje você liga para um parente, seja lá quem for pai, mãe irmão e pergunta: - E ai! Está tudo bem? Resposta: - Tudo bem graças a Deus. Mas será que esta mesmo? Sei não, é preferível bater na porta e verificar. Até a próxima. 

segunda-feira, novembro 24, 2014

Antes de Subir, Aprenda Primeiro Saber Descer!

Tem gente que sobe na vida como um foguete, mas se esquece de que segundo a Lei da Física, tudo que sobe, desce na mesma aceleração de sua subida. Só que às vezes, as pessoas empinam o nariz porque se encontram em uma situação melhor, não olhem pra baixo, pensando que a vida é só subida e subida, sem possibilidades de descida ou que a descida pode ser mais lenta. Não é bem assim. Todos nós procuramos crescer só que nem todos conseguem. Nem por isso ao estarmos no topo temos que deixar de olhar para baixo, pois como todos sabem, quando mais alto estiver, se cair, a queda será mais dolorida. Tem gente, eu conheço alguns e você também deve conhecer, que ao subir com todo esforço e cuidado não se preocupam em deixar os degraus firmes para poder descer se assim a vida o desejar. Não querendo falar, mas falando, basta olhar o que acontece hoje no país. Empreiteiros bilionários nas prisões, políticos antes intocáveis com suas fotos nos jornais, governantes até então considerados honestos com a cara no “bueiro” e com chance de neles se afundarem mais e mais. Isto é só uma amostra do que eu quero dizer, mas não é meu intuito neste momento. O que eu quero é falar de pessoas de nossa convivência como amigos, familiares, e até pessoas de trabalho que não temos muita afinidade que nos isolam quando sobem e que não dão a mínima para o passado onde conviviam. É triste, mas é verdade. Infelizmente é uma maioria, a não ser que a pessoa já tinha estado lá em cima e por um escorregão qualquer aprendeu a lição. Na maioria das vezes as pessoas que sobem, seja lá do jeito que for não olham para baixo. Estamos “carecas” de ver gente assim, e o pior, e que tem pessoas que ao subir menos da metade da escada já nem liga para quem a está segurando para firmá-la ao solo.


Eu, hoje um pouco mais experiente com esta situação deixo isto pra lá, mas que é sacanagem não tenha dúvidas. Nada de inveja, ao contrário, gosto da palavra sucesso. Por isso, reconheço o vencedor, que tem o meu respeito e admiração pelo esforço, trabalho e persistência. É como disse “Chaplin”: “A persistência é o menor caminho do o êxito, quem desiste cedo acaba encontrando tarde onde mora o fracasso”. Estou falando das pessoas que com esse mesmo histórico e, até mesmo sem esse histórico, se acham o tal, mas que talvez tenha subido ajudado ou até pisando nas costas das pessoas que ficaram lá embaixo e que não conseguiram a mesma altura. Sendo assim, não julgue as pessoas por você. Sua capacidade não é igual deles, seus sonhos não tem o tamanho da deles e tua realidade é diferente da deles. Ninguém é igual, se não, não teria no mundo “catadores de lixo”, só “jogadores de lixo”. É disso que é feito a vida, uns lá, outros cá, portando dê importância para quem está abaixo de você. Se você que está nas alturas, não deixe de colocar jamais um dos pés no chão para ter base e sustentação para não derrapar e cair. Se você é uma pessoa solidária e consciente, dê sempre uma chance para os que estão embaixo. Dê-lhes oportunidades, quantas forem necessárias para que eles aprendam a subir com seus próprios pés, dando-lhe também garantia que o degrau está firme. Se ele não quiser subir, pelo menos você fez sua parte. Estar em cima ou em baixo é apenas um detalhe, pois como disse o pensador Anatyelly Cherry “A vida é feita de capítulos. Um capítulo ruim não quer dizer que é o final da história”. Se você está acima dos outros, continue a sua subida, mas tenha a humildade de olhar pra baixo para quem não conseguiu sequer uma escada para subir não desista. Se a vida é feita de capítulos, espere o próximo até que a história acabe, e quem sabe como um final feliz. Boa sorte e até a próxima.

sexta-feira, novembro 21, 2014

Negro Sim, Inferior Não!

Ontem um amigo pediu para que eu escrevesse sobre a Lei das Cotas, pois era o Dia Nacional da Consciência Negra, dia dedicado à reflexão sobre a inserção do “negro” na sociedade brasileira. Para entender melhor, este dia foi escolhido com o dia da morte de “Zumbi dos Palmares”, em 1695. Esta data procura lembrar a resistência do “negro” à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileira em 1549 abolida pela Lei Áurea á mais de 126 anos. O motivo desse artigo é que meu amigo é “negro” e contra a Lei das Cotas instituída pelo governo por achar que isso traz mais racismo de que benefícios, moralmente falando. Partindo de uma pessoa negra, quem sou eu para discordar, não é mesmo? Dar a uma raça qualquer seja ela qual for, vantagens sobre as outras pessoas que de certa forma em sua maioria são miscigenadas, acho que deveria mais pensada. Tanto é que houve um caso na Universidade de Brasília em 2007 onde dois gêmeos univitelinos foram classificados como sendo racialmente diferentes. E agora? Em que acreditar se é certo ou não os sistemas de cotas nas instituições? Ações de inconstitucionalidade já foram propostas por alguns políticos e entidades da sociedade civil contra este sistema. Outros também se mobilizaram na defesa da reserva de vagas. Ocorre também que, ao analisar o sistema de cotas, sua aplicabilidade e seus possíveis bônus ou ônus, deve-se perceber que qualquer ação afirmativa, que busca transpor as desigualdades e igualdade material, deve ser aplicada por um tempo determinado, ou seja, não é um instituto que deve ser aplicado com uma finalidade definitiva. Juntamente a isso, há de se entender que as ações afirmativas, como o sistema de cotas, devem possuir ações conjuntas, atacando o problema desde sua raiz, pois nenhum problema social foge da deficiência das estruturas de base, como educação, distribuição de renda, falta de oportunidade, e outros.


É como disse Reinaldo Azevedo (VEJA) em um dos seus artigos anos atrás: “em vez de melhorar a escola pública para que ela, então, pudesse concorrer com as melhores instituições privadas, deu-se a guerra por perdida, e se instituiu a cota: esse é o primeiro atraso. O segundo é aceitação do racismo ou, o que é ainda mais estúpido, do “pelismo”, já que raça não existe”. Também penso da mesma forma, se assim não fosse como explicar certas personalidades públicas consideradas as melhores do mundo e que são negras? Um exemplo são pessoas como: Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo. Bem Carson, o mais próspero cirurgião cerebral do mundo. Neil Degrasse Tyson, o mais inteligente astrofísico do mundo. Tiger Woods, o melhor jogador de golfe de todos os tempos. Oprah Winfrey, a mulher mais rica e influente da mídia mundial. Barak Obama, o político mais poderoso da terra, entre outros, mundo a fora. No Brasil nós temos o Pelé, considerado o maior jogador de futebol de todos os tempos e de quebra, o nosso Joaquim Barbosa que nasceu em uma cidade do interior, estudou em escola e universidade pública, considerado hoje a autoridade mais decente do país. Sendo assim amigos, em qualquer lugar do mundo entre países mais desenvolvidos a palavra “racismo” já foi a tempos abolidos. Já que o Brasil é considerado a 8ª economia do mundo então porque instituir a “Lei da Cota”? Será que nossos irmãos negros e pardos são diferentes ou incapazes? Quer dizer que eu chamar algum amigo, carinhosamente, de “negão” eu estarei cometendo um ato de racismo e podendo até ser preso? Isto sim para mim é discriminação, pois segundo o IPEIA, em um senso de 2010, existem no Brasil 97 milhões pessoas que se consideram Negros (pretos ou pardos) contra 91 milhões de pessoas que se consideram brancos. É como diz um belo pensamento postado por um amigo no site “O pensador”: “Não precisamos de um dia da consciência negra, branca, parda, amarela, albina. Precisamos de 365 dias de consciência humana”. Até a próxima.

quinta-feira, novembro 20, 2014

Diferentes, Mas Iguais!

Muita gente te critica, no bom sentido, te ridiculariza e te coloca abaixo do chão, e sobem a um pedestal que na verdade não existe. Não existe porque pelas leis da natureza, todos vão ser os mesmo no fundo de, como popularmente dizem no fundo dos sete palmos. Sendo assim amigos (as), não tem motivo algum para que nos coloquemos acima ou abaixo de ninguém. Cada um é cada um, e não tem diferença no sentido da saúde, vida e tudo mais. O que temos de diferente é só nossas posições sociais, no resto somos os mesmos. A mesma dor de barriga, a nossa dor de cabeça, nossas insatisfações diárias e nossas insatisfações cerebrais. Tendo dinheiro ou não, os sentimentos são os mesmos e não há dinheiro que pague qualquer tratamento para que a coisa possa se reverter. O rico fica reprimido com algumas situações, tipo ter tanto dinheiro e passar por situações de disputas de herdeiros ou sócios e os pobres ficam reprimidos por não terem as mesmas, situações, como dinheiro. Não pensem vocês que eu estou aqui para fazer qualquer paradoxo, mas se eu estiver falando besteira, escreva e me corrija. Na verdade, as pessoas quando estão por cima, pensam que jamais chegarão ao fundo do posso. Eu só concordo com o otimismo, mas todos nós sabemos que a subida é difícil, mas a queda é rápida e sofrida quando não preditiva. Sendo assim, temos que nos policiar quando estamos por cima, pois ninguém sabe do futuro. O futuro é uma incógnita, sendo ele para sua prosperidade ou para sua bancarrota. Não pense você, que se têm milhões no banco pode viver para sempre com aquilo e que nada te afetará. Ledo engano, pois a história mostra que muitos “milionários” hoje estão iguais a qualquer um de muitos sonhadores em sê-los, sem nada e tentando começar novamente suas vidas. Quero deixar bem claro que os milionários que estou dizendo são aqueles que conseguiram sua fortuna ilícita, perante a Lei, tirar o dinheiro daqueles que realmente trabalham para chegar lá.


Agora, deixando o dinheiro de lado, o que seria você sem as outras pessoas? Será que você nunca precisou de um ombro amigo? Será que você nunca precisou de uma pessoa que te dissesse: “Não compre este carro porque ele está com problemas”? “Não se meta com aquela garota ou garoto porque ela (e) é assim ou assado”? Garanto que sim, pois estes conselhos nos são dados todas as horas, só que a “gente” não houve e às vezes não dá a menor atenção. Quando o “bicho pega”, aí acordamos, e às vezes já é tarde. Eu confesso, sou um desses que às vezes nunca ouvi, ou não me interessava ouvir esses conselhos, por isso, me dei mal na maioria das situações. Têm pessoas que não querem ouvir e nem concordar com minhas palavras, mas se fizer uma boa reflexão, vão cair nas mesmas conclusões que eu mesmo caí. O que temos que prover para o futuro é a humildade para reconhecer nossos erros e concertá-los. Não estou sou falando só de problemas financeiros, estou falando de todos os nossos problemas. Familiares, no trabalho, nos relacionamentos com amigos e o mundo infinito lá fora. É só assim que poderemos vencer esta angústia que nos coloca no fundo do poço. Se você quer um bom conselho, quando tiver muito dinheiro, guarde-o para seu futuro, para o futuro de seus familiares para que eles não passem o que você já passou ou está prestes a passar, como eu. Se você não o tem, procure de forma não ser um avarento, pois, como dizia o poeta, tudo que vai, um dia volta. Ninguém e tão sustentável pelo resto da vida. Quem vai te sustentar são seus amigos, seus familiares, e muitas outras pessoas que não têm nada haver com você e que pode te dar uma chance. Tenha sempre em sua cabeça que você tem que dar mais valor em você mesmo porque a maquiagem sai, basta lavar com água pura, portando, eu e você, somos os mesmos, somos iguais. Até a próxima.

terça-feira, novembro 18, 2014

Cuidado! Alguém Pode Ser Ninguém...

Depois que o “povo” teve a sua Depois que o “povo” teve a sua escolha de governo, quem sou eu para contestar, pois foi à escolha da maioria, e por isso temos que respeitar apesar de não concordar. Não concordar porque sabemos que o Brasil é feito de pessoas, em sua grande maioria de pessoas carentes e que necessitam de algum tipo de favor do próprio governo. Não acho isto errado, mas um exagero. O povo precisa sim, de ter de volta tudo àquilo que ele paga de impostos, taxas e etc. Se isto tudo, voltasse para o povo em forma de serviços sociais e os demais serviços essenciais já estaríamos muito satisfeitos. Só que a coisa não funciona assim. Muitos não sabem, mas Brasil, é a 8ª economia do mundo e que tem uma das piores qualidades de vida no planeta entre os mais “pobres”. Isto é comprovado por todos os estudos de pesquisas que existem. É uma verdade que não podemos engolir, mesmo sendo nós, brasileiros natos e fanáticos. Um exemplo muito recente foi o caso de um “Juiz”, eu disse “Juiz”, que ser parado em uma “blitz” do Departamento de Trânsito. Claro que em país democrático ele deveria primeiramente cumprir a “Lei”, pois estava errado, mas não, achando que era uma autoridade acima de todos os instintos democráticos, mandou prender e acionar a agente a justiça, como se fosse um “DEUS”, bêbado, com a placa do carro vencida e sem carteira de habilitação. A agente de trânsito, em seu pelo direito de autoridade naquele momento, foi condenada pela justiça a pagar uma fiança de 5 mil reais por não respeitar uma autoridade. Que autoridade é essa então? Autoridade tem que ser o primeiro a respeitar as “leis” para dar exemplo. Para acabar de vez com a democracia e o estado de direito de todas as pessoas, o Juiz que julgou o caso decretou: “Em defesa da própria função pública que desempenha, na da mais restou ao magistrado, a não determinar a prisão da recorrente”. Se isto aconteceu com uma autoridade, imaginem com uma pessoa normal.

O que está acontecendo com o Brasil ultimamente é uma “brincadeira”. O povo não é mais respeitado. O trabalhador não é mais respeitado. O cidadão de bem não é mais reconhecido. Os “bandidos”, sem tirar aqueles que roubam o erário em sua grande maioria colocado lá por votos “democráticos” ou “comprados” são os mesmos! Só olham para os próprios pés. Eles abusam em encomendar técnicos e diretores para nosso governo e empresas estatais deixando de lado àqueles que realmente têm capacidade para exercer as funções necessárias para o governo e nossas empresas que fazem parte da nossa governança que seria um bom desempenho para nossas necessidades especiais. Quando acontece de colocar alguém que realmente possa desempenhar este papel, não é regra, é simplesmente porque não tem saída, ou seja, ou coloca o cara, ou nós vamos afundar. Mesmo assim, quando não precisam mais dele, jogou-o lá para o fundo do posso. Eu mesmo tenho um amigo nesta situação, competente, assíduo, atuante e respeitado, que chegou ao cargo por sua própria competência. Que bom seria se fosse tudo assim né? Mas não é. O mandatário do país seja ele quem for não pode contrariar o congresso, feito por pessoas incompetentes, nem todos, mas que se não fizer as coligações políticas acham que não crescerá. Muita gente está querendo que o governo, democraticamente, e que foi escolhido pela metade do povo se dê mal, mas não é por aí, pois quem vai sofrer é o próprio povo. O que temos que fazer é fiscalizar, batalharmos para um país melhor e na próxima oportunidade mudar o voto para uma nova chance para voltarmos a ser um país melhor. É o que também pode acontecer em nossas vida. Alguém pode ser ninguém... Se você é um desses que só querem levar vantagem em tudo, pense nos seus filhos que terão de enfrentar tempos difíceis que você talvez não esteja colaborando e poderia evitar. Até a próxima!