quinta-feira, agosto 27, 2015

Falar é Bom e Necessário, Mas Você Sabe Ouvir?

Falar realmente é muito bom e mais que necessário por vários motivos; Um deles consiste em ser extremamente perigoso ficar mudo em ver algum tipo de situação em que alguma pessoa de nossa convivência está prestes a cometer um erro e não ser avisado seja lá o que for o fato. Só que você tem que medir suas palavras para que este aviso não se torne alguma coisa como imposição, pois aí, o que você quer passar pode ser confundido como prepotência. Apenas fale, avise e diga os motivos ou perigos que a pessoa estará correndo em cometer tal ato. Peça então a esta pessoa que explique o porquê de estar querendo fazer, seja lá um negócio, um pedido de dispensa do emprego, sair ou entrar em um novo relacionamento, parar ou começar a fazer uma faculdade, vender uma casa, um automóvel ou qualquer coisa parecida. Depois que você ouviu todos os motivos, pode ser que você se convença em avançar na conversa ou recuar com o seu conselho, pois pode ser que você esteja errado. Isto é saber também ouvir, uma das maiores virtudes do ser humano e que são poucos que sabem usar esta técnica. Se você está aconselhando seu filho ou mesmo um amigo, olhe nos olhos dele e mantenha a calma enquanto conversa. Esteja focado no diálogo sem distrações e se afaste dos pensamentos preconceituosos. Discuta as ideias e evite contradizer o outro. Expresse seu pensamento buscando sempre os pontos em comuns para que sua fala seja entendida ao mesmo tempo mostrando para seu interlocutor que ele está sendo entendido. Como sempre, cito um grande pensador para que você compreenda melhor, olha o que falou o jornalista, político e inventor Benjamim Franklin (1706-1790)“Se você me coloca sua opinião de uma maneira dogmática, diretamente oposta ao meu modo de pensar, e não deixa espaço para negociação, eu sou obrigado a concluir – para proteger a mim e a minha autoestima – que você está errado. Por outro lado, se você coloca a sua opinião como uma hipótese, evidenciando boa vontade para discuti-la e explorá-la, na maioria das vezes eu vou me emprenhar em comprovar que você está certo”. Muitas vezes, a pessoa acha que só ouvindo é algum tipo de submissão ou renúncia, onde se pode entender como covardia ou falta de coragem que não são a mesma coisa. 

Talvez por essa razão a maioria das pessoas ouçam tal mau, ou simplesmente não ouçam, pois vivemos imersos em cogitações pessoais e é raro conseguirmos passar algum tempo sem pensar em nós mesmos. Quer ver um exemplo curioso e verdadeiro? Como o bebê aprende falar “papai e mamãe”? Porque ele primeiro ouviu, pois ninguém nasce falando, nasce primeiro sabendo ouvir, então, está mais que provado que é ouvindo que se aprende. Não existe também aquela famosa frase que: “quem fala muito dá bom dia ao cavalo”? Isto que dizer que muitas vezes somos traídos pela tendência de falar sem pensar e de forma irrefletida. Expressamos juízos e conceitos dos quais muito nos arrependemos, mas não será o suficiente para remediarmos os danos causados nos outros. Saber ouvir exige que façamos opção consciente em aprender o que se passa com o outro, de forma solidária e sem preconceitos. Como não poderia deixar de citar o grande Paulo Coelho que mais ouve do que fala e mais lê do que escreve, conta que o filósofo Grego Anaxímenes (400 a.C.) aproximou-se de um general, para tentar salvar sua cidade. “Não importa o que você deseja, tem minha palavra de rei que não aceitarei”, disse o todo poderoso Alexandre, antes de ouvir o que o filósofo queria. “Tudo o que desejava era ver minha cidade destruída”, respondeu Anaxímenes. E, desta maneira, a cidade foi salva. Estes amigos, são exemplos que devemos aprender e nunca mais esquecer. Se você, como eu que falo mais que uma “matraca”, mas aprendi ouvir, são vários os conselhos populares: 1) Nunca responda antes que o seu interlocutor tenha concluído seu pensamento; 2) Não fique impaciente diante de pessoas tentando explicar algo; 3) Não use expressões faciais de enfado, desaprovação, invalidação, menosprezo, diante do assunto; 4) Não desvie o olhar do rosto da outra pessoa, nem mude abruptamente de assunto. E por último; Não faça que o outro se cale, dizendo que não adiantaria nada ouvi-lo. Eu confesso que tinha todos estes defeitos, mas com o tempo e a experiência, aprendi a ouvir. Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

quinta-feira, agosto 20, 2015

O Dinheiro Compra Tudo, Menos uma Coisa: A Liberdade!

Para que você entenda meu ponto de vista, vou mostrar como os estudiosos e pensadores definem “liberdade”: Segundo a Wikipédia, “Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quando positivamente”. Sob a primeira perspectiva, denota a ausência de “submissão” e de “servidão”. Na segunda, é a “autonomia” e a “espontaneidade” de um “sujeito racional”. Citando um Pensador, Baruch Espinoza (1626-1677), a “Liberdade possui um elemento de identificação com a natureza do “ser”. Neste sentido, ser livre significa agir de acordo com sua natureza. É mediante a liberdade que o Homem se exprime como tal e em sua totalidade. Esta é também, enquanto meta dos seus esforços, a sua própria realização. Tendemos a associar a fruição da liberdade a uma determinação constante e inescapável. Contudo, os ditames de nossa vida estão sendo realizados a cada passo que damos; assim, a deliberação está também a cargo da vontade humana (na qual se inserem as leis físicas e químicas, biológicas e psicológicas). Diretamente associada à ideia de liberdade, está à noção de “responsabilidade”, vez que o ato de ser livre implica assumir o conjunto dos nossos atos e saber responder por eles.” Os amigos perceberam que em ambas as definições mostram que a tão sonhada “liberdade” não pode ser comprada? E por vários motivos. Um deles é achar que quem tem muito dinheiro pode tudo, errado. Se assim fosse, não teríamos tantos milionários, corruptos ou não, na cadeia deixando para trás suas camas confortáveis e dormindo em “laje fria”. Deixando o seu “caviar” para comer “marmitas”, como a maioria do povo pobre, quando tem, é claro. Deixando para trás seus “vinhos importados” para beber “suco de groselha”. Mesmo que eles saiam de lá rapidamente e voltem para o mesmo luxo, estarão presos para o resto da vida em suas consciências e para o olhar desconfiado dos honestos. Para o olhar desconfiado da justiça da terra e da justiça Divina. Ser rico de verdade, é aquele que usa a sua riqueza ganha com suor, talento ou até mesmo sorte, caso ganhe na loteria, com humildade, honestidade e procurando ajudar o próximo. 

É aquele “patrão” que só coloca em seu cofre o que sobra na sua empresa, depois que pagou todos os funcionários e seus outros deveres, ou seja: “O que é seu é seu, e o que é meu é meu”. Este sim, quando às vezes está em má situação financeira, jamais será esquecido, e sua chance de reverter à situação é muito maior do que se afundar de vez, mas se até isto acontecer ele será lembrado por ser integro, e mesmo sem dinheiro poderá andar de cabeça erguida, com toda a sua “liberdade” conquistada. Sendo mais enérgico em minha posição, digo que infelizmente em nosso país existam tão poucas pessoas assim, não só os milionários, mas os de classe média alta que acham que têm o “rei na barriga”. Basta você notar no seu dia a dia quando um amigo ou mesmo um conhecido sobem alguns degraus ou abastecem suas contas bancárias, o que acontece? 90% deles desaparecem de sua convivência, como se você fosse culpado por não ter a mesma chance ou oportunidade. Não estou querendo dizer que a pessoa que tenha um poder aquisitivo maior não possa mudar de sua casa de 200m² por uma mansão, nada disso, pois isto é o que todos nós almejamos. Estou querendo dizer que se é amigo, morando em qualquer lugar ele jamais te esquecerá, ou esquecerá a sua vida anterior, e de ter a felicidade de ter conquistado coisas melhores. E vou mais além, quando este tipo de pessoa toma atitude de desaparecer e nunca mais olhar para trás, pode ter certeza que esta ascensão meteórica tem alguma coisa por trás. Entendeu né? A frase mais “manjada” e falada por todos os cantos é que, “Nada é para sempre”. Apesar de ser, como dizem os pseudos intelectuais, “xula”, ela é verdadeira. Quando vem a crise e a recessão, como passam países como a Grécia e Brasil que estão praticamente quebrados, quem tinha uma “Mercedes Benz”, passam a ter um carro popular e daí para baixo. Passa a deixar seu “vinho do Porto” para tomar vinhos baratos comprados em promoções e daí para baixo, isto se o dinheiro for lícito, pois que tem o ilícito, não está nem aí para a crise com seus milhões de dólares guardados em paraísos fiscais, e são esses mesmo que dariam tudo na vida, inclusive seu rico e roubado “dinheirinho” para comprar o que não se compra: A Liberdade! Aprenda a prosperar de maneira lícita e honrada e terá seu respeito de volta Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

domingo, agosto 16, 2015

“Sai do Meu Pé Chulé”

Eu sei que o título deste artigo é meio tosco, mas é porque quero mostrar no popular o que acontece em 90% dos casos de separação de casais é justamente isto. Muita gente acha que casamento é para sempre e que um, ou outro é propriedade. Não é nada disso, afinal, nada é para sempre, nem a vida. Se você quer para sempre como propriedade, case com seu irmão ou sua irmã. Casamento ou qualquer outro tipo de relacionamento é cumplicidade, amizade, um completando o outro, do contrário, fique na sua. Se por acaso você acha que não seja assim, não destrua e nem prive a vida de ninguém. Quando você começou um relacionamento a outra pessoa já tinha uma vida, tinha seus amigos, um modo de viver em família, gostos que podem não ser compatíveis com o seu. Às vezes a outra pessoa gosta de “pimenta” e você odeia, mas nem por isso ele (a) gostaria de deixar seu gosto pelo seu, sendo assim, que cada um coloque pimenta em seu prato e o outro não. Já estaria resolvido o problema? Nem tanto, mas pode ser uma saída, mesmo que não seja a estratégia certa. Isto é só um exemplo metafórico. Se viver a dois, longe dos pais, dos amigos, dos irmãos e de uma vida totalmente diferente que você irá enfrentar fosse tão fácil, não existiria a estatística de mais de 300 mil separações e divórcios por ano no Brasil “da mandioca”, deixando por aí filhos e netos que não têm nada haver com a “idiotice” de quem acha ser dono de um ou outro. Se você quer mandar em alguém que se submeta a estas coisas, compre um cachorro. Ele sim é dependente de seu dono e por isto é o melhor amigo. Na maioria dos casos citados, a “desconfiança” é o maior complicador da vida do casal. Ela trás ciúmes falta de respeito e gera a violência. Talvez você possa estar achando que estou pegando pesado, não, basta ver as estatísticas de morte entre cônjuges, e  na maioria das vezes a mulher é quem leva a pior, só que não estou isentando o sofrimento dos homens, e até acho que os danos causados pelo ciúme são às vezes irreversíveis com a chegada da depressão, a bebida e o mau humor que irá causar o fim.
Para evitar tais situações, basta você, mesmo que doa e modifique seu modo de pensar, tente soltar as rédeas do parceiro (a). Não adianta você ficar a espreita, pois se alguém quiser fazer alguma coisa de errado dentro do relacionamento, nem que você o (a) a (o) prenda dentro do guarda-roupa vai conseguir, pois certamente ele (a) vai te trair com o “cabide”. Fiquei sabendo de casos que chegam ser um total absurdo como maridos acompanharem suas mulheres quando vão ao cabelereiro com medo de traição, fala sério. Mulher quando vai ao cabelereiro, gosta de estar à vontade para colocar as fofocas em dia com suas amigas, ela não foi ali para te trair, mas se você continuar com isto, talvez qualquer dia ela irá arrumar seus cabelos para se apresentar melhor para o amante por causa da sua “babaquice”. Também tem mulher que gosta de acompanhar o marido no seu sagrado jogo de futebol para vigiá-lo, fala mais sério ainda. O camarada quer curtir seu lazer, para colocar a conversa em dia com seus amigos e tomar aquela geladinha sem as perturbações que ele encontra em casa. Se ele quiser te trair não será em um campo de futebol cheio de homens barbudos e barrigudos, a não ser que ele tenha outros gostos. Um relacionamento sadio para durar para sempre ou para sempre enquanto for possível, tem que ter a famosa “confiança”, que não é nem de longe 60% confiável, mas ela será sempre o piso seguro que dará a vocês e seus filhos uma verdadeira (nova) família com solidez. Todo relacionamento que acaba em casamento nada mais é de dar visibilidade à sua relação afetiva, para buscar estabilidade econômica e social, para formar uma família, procriar e educar seus filhos e legitimar o relacionamento sexual, nada mais que isto, afinal, você não foi comprado (a) para ser propriedade de ninguém. Um casamento perfeito é apenas duas pessoas imperfeitas que se recusam a desistir um do outro. Não existe essa de pressão e chicote na mão, existe sim a cumplicidade, o respeito para sua liberdade, mas não de suas responsabilidades. Se não for assim, diga a seu parceiro (a), “Sai do Meu Pé Chulé”. Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

quinta-feira, agosto 13, 2015

Para Quem Deixa Bons Rastros, a Volta é Certa.

Você já notou que quem volta sendo recebido de braços abertos é porque deixou “bons rastros”? Vários são os exemplos desta minha teoria, e os exemplos podem ser vários, até mesmo na política, coisa que anda desacreditada em nosso país por tantos “rastros de sujeira” que eles, políticos, deixam por aí, mas mesmo assim não são todos, porque na vida, no coração das pessoas de bem, existe o perdão de atos que foram feitos impensados ou até por um simples momento de decisão de alguém mandar sair ou se decidir deixar. Nesses dois momentos o ressentimento, dor, dó, pena, pesar e arrependimento batem forte na decisão tomada em que pensamos que a “volta nunca será possível”, mas é para quem deixa os “bons rastros” que chamamos também de “uma nova chance”. Já passei por isto, e não estou isento de passar novamente como todos nós, já que é uma coisa mais que rotineira em nossa caminhada. Se você sai de sua casa ou é expulso dela, se deixar bons rastros você volta. Se você deixar seu emprego ou for demito e deixou bons rastros, você volta. Se você deixou alguém que ama ou ela te deixou, se deixou bons rastros a volta pode ter grande chance de acontecer. Se você não quis mais a amizade de um grande amigo ou ele a você, se a amizade ter sido sincera, existirá certamente um novo reencontro e compreensão entre os dois. Mas amigo, se você deixou sujeira em seus rastros, sua chance pode estar indo por água abaixo, pois perdoar não é para qualquer um. O bom, é que Deus nos deu vários caminhos para seguir, uma é de perdoar e a outra é de pedir perdão por nossos erros. Se você não sabe, certos tipos de erros só com Ele mesmo, pois o ser humano jamais terá a capacidade de perdoar 100%. Se você voltou, seja lá de que forma for, tenha certeza que se você não deixou todos os “bons rastros”, pelo menos deixou apenas alguns arranhados. Sendo assim aproveite a chance que estão lhe dando a aproveite-a com todas as suas forças porque a parada é dura e sua responsabilidade será muito maior que antes. Como sempre, sito aqui algumas pérolas para nosso aprendizado: Disse a escritora “Lara Bottas”: 
“Quero reciclar minha alma, começar de novo, apagar alguns rastros, tampar algumas feridas. Quero olhar as coisas de outro jeito e aos poucos me comportar de outra maneira. Quero esquecer algumas ofensas e ficar com alguns bons olhares. Quero me desapegar de algumas coisas e pessoas que simplesmente vieram ou estão de passagem. Quero muita coisa, claro, mas antes de tudo, quero que seja tudo novo de agora em diante.” Estas palavras de Lara, mostram que não somos intocáveis. Se você quer sucesso, esqueça sua soberba. Desempine o seu “nariz”. Olhe para baixo e veja que pode ser aquela pessoa que um dia você achou que foi injusta, pode ser a mesma que está lhe dando uma nova chance. Confesso que este artigo que acabo de escrever foi principalmente para mim e alguns amigos que não citarei nomes para preservá-los, mas o recado está dado. Se eu compreendi, que eles aprendam também e, que todos nós aproveitemos este novo momento de nossas vidas, já que as portas se abrem se a gente insistir em entrar. Como sempre, cito um aprendizado: Paulo Coelho uma vez resolveu visitar um castelo em ruínas na Espanha. “Quando já estava diante dele, um senhor disse na porta: “não pode entrar”, pelo simples prazer de proibir”. Ele explicou que vinha de longe e tentou ser simpático. De repente, entrar naquele castelo se tornou muito importante para ele. “Não pode entrar”, repete o senhor. Para ele restou apenas uma alternativa: seguir a diante, e esperar que fosse impedido fisicamente. Dirigiu-se para a porta. O senhor olhou, mas não fez nada. Quando saiu, duas turistas se aproximaram e entraram. O velho não tentou impedi-las. Graças à resistência dele, o velho resolveu parar de criar regras absurdas. “Às vezes, o mundo nos pede para lutar por coisas que não conhecemos, por razões que jamais vamos descobrir”. Aposto todas as minhas fichas que se ele voltar novamente, ninguém irá proibi-lo, pois ele com seus bons rastros terão entrada garantida. Portanto, se você entrou limpo que saia brilhando e a volta será certa. Até a próxima.

quarta-feira, agosto 05, 2015

"Ser Honesto é Possível"

Todos nós sabemos o que quer dizer “honestidade”, pois aprendemos isto com os conselhos e princípios morais de nossos pais ou educadores, mesmo que algum deles naquele momento do ensinamento não o seja e, é aí, com a consciência de não ser e saber que não vale a pena ser o contrário nos ensina a não cometer o mesmo erro. A “honestidade” é a palavra que indica a qualidade de ser verdadeiro: não mentir, não fraudar, não enganar. Pode ser uma característica de uma pessoa em falar a verdade, não omitir, não dissimular. O “honesto” repudia a malandragem e a esperteza de querer levar vantagem em tudo, como já dizia o grande poeta “Gerson” do Botafogo nos anos 70/80 em apologia de que a esperteza faria parte de uma pessoa inteligente ao escolher uma marca de cigarros. Mero engano, pois a “honestidade”, de maneira explicita, é a obediência incondicional às regras morais existentes, então, um inteligente esperto é mais burro do que ele imagina, basta ver quantos inteligentes espertos estão tomando banho de água fria, comendo marmita e usando banheiros fétidos para suas necessidades fisiológicas, além de dormir em lajes duras, sem conforto algum. Infelizmente hoje em dia o conceito de “honestidade” é visto como caretice, já que ninguém pega a maioria dos “desonestos” que são os políticos corruptos e os que são corrompidos, que em seus atos não só tiram o dinheiro dos impostos do todos nós em proveito próprio, mas também não nos deixam crescer e exercer a cidadania, colocando em dúvida, se realmente vale a pena ser “honesto”. Mas não só eles são desonesto, todos somos. Não basta você ter uma postura de honradez, probidade, compostura e decência. Você também tem que saber que muitas vezes é sua culpa de ter pessoas assim ao seu lado ou cuidando dos seus interesses sociais, ao exercer seu direito de escolha através do voto. Queiram ou não, a grande maioria, escolhemos pessoas por conveniência, e isto leva por água abaixo todos os nossos conceitos e aprendizados. Um exemplo disso é a música “Pânico na Zona Sul” do grupo de Rap Racionais MC’s, cuja letra afirma: “Honestidade nunca será demais, sua moral não se compra, se faz”. 

A “honestidade” ou “desonestidade” também não podem ser confundidas com dureza ao extremo, pois às vezes, temos que ser flexíveis em alguns atos que não coloquem em jogo toda uma vida, seja com filhos, cônjuges ou familiares. De vez em quando somos obrigados omitir alguns fatos, que não podem ser considerados como falta de decência, para que um relacionamento entre eles possam comprometer toda uma convivência. Para ser “honesto” com você leitor, às vezes não adianta bater o pé e dizer: “eu fiz isto e ponto”. Nada disso, você nesta hora pode falar: “Eu não disse a verdade para não magoá-los e preservá-los”. Isto para mim, não é deixar de ser “honesto”, basta você encontrar outra forma de se explicar, mesmo sendo difícil, para que não aconteça novamente. É um pecado que foi para o bem de todos e que você irá carregar para toda uma vida em busca de um propósito maior. Não é a mesma coisa que enganar alguém por conveniência. A “honestidade” a que me refiro neste artigo é aquela que prejudica pessoas que lutam a vida toda para ter uma postura de acordo com o que se deve exercer independente se a outra é, ou não. É como disse um especialista em estudos bíblicos, Matthew Henry: Certa vez, quando voltava da Universidade onde leciono, fui assaltado. Naquela noite, fiz uma prece: “Quero agradecer em primeiro lugar, porque eu nunca fui assaltado antes. Em segundo lugar, porque levaram minha carteira, e deixaram a minha vida. Em terceiro lugar, porque, mesmo que tenham levado tudo, não era muito. Finalmente, quero agradecer porque eu fui aquele que foi roubado, e não aquele que roubou”. E então amigos, vale a pena ter milhões no banco e dormir em uma cela suja? Acho que nem “lava a Jato” ajuda. O dinheiro roubado ou desviado não esquentará sua cela, servirá apenas para pagar advogados ou ficará para o próximo pretendente de sua mulher ou do seu marido. Seja você, e se contente com o que conquistou com seu próprio suor, pois fora as humilhações que sofrerá no futuro, sua família, inocente ou não, carregará este fardo por muito tempo. Por isso, acho que “Ser Honesto é Possível”. Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

sexta-feira, julho 31, 2015

Que seu Sim Seja Sim, Que Seu Não Seja Não!

Estou tão decepcionado com a “política” que alguns meses atrás eu afirmei com “veemência”, palavra da vez para justificar erros, que não escreveria mais sobre o tema aqui no Blog e, como estão vendo, menti. Até porque a Política não é só a ciência da governança de um Estado ou Nação ou uma arte de negociação para compatibilizar interesses. É também um conjunto de regras ou normas que não podemos de deixar de usá-las para melhorar o nosso dia a dia,  nossas ações presentes e futuras, não só para melhorar nossas vidas e por consequência as dos mais próximos e principalmente dos mais distantes. Quando somos políticos em nossas ações não quer dizer enganação como a “política” que conhecemos, ao contrário, estamos falando da boa política que muito poucos de nós, se temos, não colocamos em ação. Talvez por puro egoísmo em compartilhar ou por não saber em colocar em prática, mas certamente, todos nós somos um pouco políticos seja para o bem ou para o mal. Seja como for, não podemos ficar em cima do muro. Temos que coloca-la em prática independente do resultado. Se errou, redima-se, se acertou, continue. Se você acha que uma coisa poderia ser melhor assim e tem certeza, insista, mas se não tiver certeza, recue e estude outra forma de exercê-la. Nós, seres humanos, temos sempre a certeza que estamos certos em tudo e não conseguimos enxergar as opiniões e ações de outrem, que é um erro que as vezes chega a ser fatal e talvez fique marcado para sempre. Por isso, temos que ser autênticos em nossas atitudes e decisões, claro que depois de pensar e repensar antes de atirá-las ao vento, pois isto pode não só complicar você como prejudicar ou decepcionar quem te rodeia, já que as palavras soltas ao vento não tem volta. Ser firme em sua decisão quer dizer que acredita, seja ela para afirmar ou negar. É como o título deste artigo: “Que eu Sim Seja Sim, Que Seu Não Seja Não”! Quem disse isto não fui eu, quem dera. Foi Jesus Cristo que deu a vida por nós sentindo a dor das estocadas, mas não do que escolheu em fazer para nos salvar. Ou como disse “Paulo Coelho” para melhor interpretação da frase: “Se você assumiu uma responsabilidade, vá até o fim”. 

Portanto, temos que manter a nossa palavra, porque ela é muito preciosa. Cada vez que sua palavra é honrada por seus gestos, ela se torna mais forte. Quando você dignifica sua relação com os outros, dignifica também sua relação com você. Os que prometem e não cumprem. Vivem criando problemas para si mesmos. Perdem o respeito próprio, têm vergonha de seus atos. A vida destas pessoas consiste em fugir; elas gastam muito mais energia desonrando a palavra, que os honestos gastam para manter seus compromissos. Se você assumiu uma responsabilidade boba, que resultará em prejuízo de entusiasmo, tempo e dinheiro, não torne a repetir esta atitude. Mas, desta vez, honre sua palavra, custe o que custar. Esta é a melhor maneira para os resultados “respostas imediatas” para os problemas do dia a dia, como pediu para que eu escrevesse um leitor de Natal-RN, Vinicius Gonzo. Se isto te ajudou amigo Vinicius eu não sei, mas é uma boa saída. A vida é feita de justiça e injustiças, mas não podemos nos render pelo mal cometido por ninguém, basta agir de forma correta, ou seja, cada um que faça sua parte para obter resultados, mas com certeza a justiça sempre vencerá. Olha só o que diz esta pérola de “Kafka”: “Um homem a procura de justiça, caminha até o Palácio da Lei. Diante da porta do palácio, um soldado monta guarda. Como o sentinela não lhe dirige uma palavra, o homem resolve esperar. Espera um dia, mas o guarda continua mudo. Pensou – Se eu ficar por aqui, ele perceberá que eu quero entrar. E ali permanece. Passam-se dias semanas, e anos inteiros. O homem continua diante da porta, e o sentinela continua montando guarda. Já velho, ele reúne todas as forças e diz ao guarda: “Eu vim até aqui em busca de justiça. Por que você não me deixa entrar? “Eu não lhe deixei?”, responde o sentinela. “Você nunca me disse o que estava fazendo aí! A porta estava aberta, bastava empurrá-la. Porque você não entrou?”. Viu amigos, como a indecisão do que quer ou a falta de coragem de ir em busca do que procura pode ser tarde demais? Decida-se na vida. “Se é Sim é Sim, Se é Não é Não”. Tenha coragem seja qual for a sua decisão. Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

quarta-feira, julho 22, 2015

Derrotado uma “Ova”, Fortalecido!

Muitas pessoas andam me perguntando sobre a penúltima postagem onde narro uma história do meu amigo Pedro “Poeta” Coelho e, se isto não era um tipo de contradição, já que passei coisas piores e que há muito pouco tempo eu me sentia um “derrotado”, e de onde eu tirava todas essas conclusões. Para alguns respondi que tinha sido só uma fase difícil, mas para outros que insistiram na tese da “contradição” fui obrigado a ser mais sucinto. Disse a eles que é o que eu sempre repito, “Os acertos só vêm com o aprendizado dos erros” e isto não é nada filosófico, é uma coisa normal que ouvimos todos os dias, mas o pior é que muitos, mesmo sabendo de seus erros, costumam a não consertá-los o que também é muito compreensível, pois em nossas vidas de 100%, acertamos apenas 10% e erramos 90%. Se para alguns deles eu fui um “derrotado”, posso dizer que a “derrota”, ao contrário do que pensam, é uma coisa às vezes muito mais benigna que maligna, pois ela nos fortalece muito mais do que pensamos. No quesito de onde tirei tudo, já que não sou nenhum escritor e sim uma simples pessoa que gosta de escrever, digo-lhes que tirei todas estas conclusões através da leitura e também da escrita. Por falar em leitura, olha só que pérola (resumida) de Paulo Coelho sobre este assunto quando ele diz: “Escrevo sempre, e acho muito importante escrever. Se pudesse dar um conselho, diria a todo mundo: escreva. Seja uma carta, ou um diário, ou algumas anotações enquanto fala ao telefone – mas escreva”. Se você quiser entender melhor seu papel no mundo, escreva. Procure colocar sua alma por escrito, mesmo que ninguém leia – ou, o que é o pior, mesmo que alguém termine lendo o que você não queria. O simples fato de escrever, nos ajuda a organizar o pensamento e ver com clareza o que nos cerca. Um papel e uma caneta ou um teclado de um computador operam milagres – curam dores, consolidam sonhos, levam e trazem a esperança perdida. “A palavra tem poder, mas a palavra escrita tem mais poder ainda”. 

A “derrota” é uma palavra horrível, asquerosa, difícil de dizer e escutar, mas por incrível que parece ela é necessária justamente para nos ensinar meios de superá-la e esmaga-la. Já que falei no Paulo Coelho, olha só mais uma historinha dele: “Eu estudava na Escola de Teatro, quando o ex-campeão de pesos pesados, Mohammed Ali, resolveu lutar com George Foreman pela reconquista do título. No dia da luta, um dos professores da escola me chamou: “Mohammed Ali vai ganhar”, disse ele. Não creio, respondi. “Afinal de contas, George Foreman nunca perdeu uma luta em toda sua vida”. Justamente por isso, replicou o professor. “Quem já foi à lona uma vez, está muito mais preparado para vencer, do que aquele que nunca perdeu”. Algumas horas mais tarde, Ali recuperou pela segunda vez o seu título. Muitos de vocês não tiveram a oportunidade de ver esta luta como eu. Aconteceu no Zaire em outubro de 1974 e foi transmitida ao vivo para todo o mundo. Ali, tinha perdido seu título em 1967 por não querer lutar na Guerra do Vietnã por seus conceitos pacifistas. Foreman era visto como um “monstro” no boxe. Sua força e sua envergadura aos 25 anos eram assustadoras. Ali, com seus 32 anos olhou para Foreman e disse: - Vou massacrar você. Usando sua inteligência e não a força que Foreman tinha, deixou que ele começasse a bater e sempre olhando para o os olhos de Foreman dizia com total confiança: - E tudo isto que você pode fazer?, Minha mãe bate mais forte do que você”. E assim foi até ao 8º round quando acertou um direto no rosto de Foreman, levando-o a lona. Fim de luta, e o mundo ficou estarrecido com sua estratégia e força de vontade, até o próprio Foreman. Viram aí caros leitores, como as coisas que às vezes pensamos que é o fim pode ser apenas o começo? Portanto, não há contradição em minhas palavras e sim a convicção que: Derrotado uma “Ova”, Fortalecido! Faça como o Ali. Até a próxima.
edudoroteu@gmail.com – www.facebook.com.br/ze.duda

quinta-feira, julho 16, 2015

Se Conselho Fosse Bom Ninguém Dava, Vendia? Mito!

Hoje vi meu amigo, Pedro “Poeta” Coelho, com um olhar distante, triste e com um ar de preocupação e desesperança. Motivo: a perda do emprego ao final de seu contrato com a empresa em que trabalhava. Preocupado então fiquei com ele e por ele. Não pela sua condição financeira, mas por sua sensibilidade afinada, pois ele além de Engenheiro Civil e Administrador é um “poeta” de primeira com alguns livros de poesias publicados, mas não reconhecido pelo grande público, porém reconhecido por pessoas como o escritor Ziraldo, do qual recebeu vários elogios. Pena que no Brasil são poucas as pessoas que se interessam por uma boa leitura, assim, gente como meu amigo não são reconhecidas e muito menos valorizadas. Por conhecer bem o Pedro e ter a liberdade de conversar qualquer tipo de assunto mostrei a ele que esse tipo de preocupação é normal e acontece todos os dias, não só com ele, mas com a maioria das pessoas, pois o futuro é incerto e cheio de surpresas, às vezes boa, ás vezes desagradáveis e, ninguém está imune a isto. Ele, Pedro, talvez tenha tido um grande impacto por nunca ter tido passado tal situação, o que é compreensível, então, me perguntou o que eu achava de tudo pelo que está passando. Como sempre fui muito sincero a todos que me perguntam, disse mostrando a ele um calendário que estava em cima da mesa em que só tinha crianças deficientes e todas com um sorriso estampado no rosto: - Viu como tem gente milhões de vezes pior que você? E ele me confidenciou uma coisa que fez o seu falecido pai: - “Duda, um dia meu pai me pegou reclamando da vida, me colocou dentro do carro e me levou para um viaduto onde moravam vários moradores de rua que ser quer tinham o que comer e disse: - Pare de reclamar da vida “moleque”. Olhe para essas pessoas e faça uma reflexão de sua vida, vá à luta! Então eu disse: - Você não aprendeu com o que seu pai lhe disse? A resposta foi: - Aprendi, mas se você não me abre os olhos eu não teria lembrado, obrigado Duda. Isto mostra que no momento de desespero os neurônios não funcionam muito bem, não só com ele, mas com todos nós. 

Esta história do Pedro é só mais uma em meio de um mundo em que as pessoas não olham para baixo, principalmente em que está pisando. Infelizmente isto vem acontecendo desde que o ser humano conseguiu andar e lutar por sua sobrevivência. O maior desse exemplo é “Cristo” que nem preciso relatar a história, imaginem um ser humano qualquer. E continuando a nossa conversa eu disse a ele: - Pedro, você está a menos de um mês desempregado e já está entregando os pontos? Que tipo de “poeta” é você? Escrevendo como você escreve já deveria entender mais do que eu que passei quase um ano procurando um emprego, pelos mesmos motivos, e que agora consegui recuperar. Para que você entenda leitor, trabalhávamos juntos, meu contrato acabou e o dele não, agora é o inverso, o dele acabou e eu voltei para assumir minha antiga posição. São dois extremos, mas é isto que acontece como eu disse acima: “o futuro é incerto e cheio de surpresas, às vezes boa, ás vezes desagradáveis”. Certamente esse tipo de situação já aconteceu contigo também e, não deixará de acontecer sempre e sempre com outrem. O importante é saber, como disse em sua letra o compositor “Paulo Vanzolini”, espetacularmente interpretada em 1962 pelo cantor “Noite Ilustrada”: “Chorei/Não procurei esconder/Todos viram, fingiram/Pena de mim não precisava/Ali onde eu chorei, qualquer um chorava/Dar a volta por cima que eu dei, quero ver quem dava/Um homem de moral, não fica no chão/Reconhece a queda e não desanima; Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.” No mundo, principalmente no Brasil, não é fácil sair de certas situações pela crise financeira, política e moral por qual passamos, mas é possível. Isto vai depender de você, de sua força, de sua persistência, de sua perspicácia e principalmente de sua humildade em ver onde errou para se redimir e começar tudo de novo, pois a vida é puramente renovação. Não se acomode, não esmoreça, não deixe que sua vida vire uma rotina. Lute e não desista nunca, já que não existe almoço de graça. Até a próxima.
www.facebook.com.br/ze.duda - edudoroteu@gmail.com




domingo, julho 12, 2015

A Soberba destrói você, seus sonhos e quem estão ao seu redor!

Não interessa quem é você ou qualquer tipo de instrução. Não existe posição para a “soberba”, conhecida como “orgulho” que é o sentimento caracterizado pela pretensão de superioridade sobre as demais pessoas, levando a manifestação ostensiva de arrogância, por vezes sem fundamento algum em fatos favoráveis reais. Ela não faz parte dos 7 pecados capitais, mas faz parte de um conjunto de tudo como a (1) Gula, (2) Avareza, (3) Luxuria, (4) Ira, (5) Inveja, (6) Preguiça, (7), Orgulho ou Vaidade. Segundo o filósofo Santo Tomás de Aquino, a “soberba” era um pecado tão grandioso e ser tratado em separado do resto e merecendo uma atenção especial. Ele tratava em separado a questão da vaidade, como sendo um pecado. Explicando cada um desses pecados, segundo estudos, a gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida e bebida. A avareza é o apego excessivo e descontrolado pelos bens materiais e pelo dinheiro, priorizando-os e deixando Deus em segundo plano. A luxúria e o desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e material. A ira é o intenso e descontrolado sentimento de raiva, ódio, rancor que pode ou não gerar sentimento de vingança. A inveja é considerada pecado porque uma pessoa invejosa ignora suas próprias bênçãos. Deseja status, habilidades e tudo que é e possui para cobiçar o que é do próximo. A preguiça é um dos sete pecados capitais, caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligência, desleixo, morosidade, lentidão e moleza. Aversão ao trabalho, frequentemente associada ao ócio, vadiagem. E por final, o orgulho ou vaidade. Conhecida como “Soberba”, é associada a orgulho excessivo, arrogância e vaidade. Gente com este tipo de atitude é encontrada em todos os lugares o que torna o ambiente insuportável, mas a boa notícia é que pessoas assim não têm vida longa e nem sucesso no que faz, pois um dia a casa pode cair sem tempo para a recuperação. 

Se você não está fora deste grupo de pecados, parabéns. Se você já teve, acho que é o caso de mais de 90% das pessoas, e conseguiu se libertar parabéns mais ainda, mas se você se sente ameaçado por algum deles procure ajuda para se libertar por que qualquer um desses sentimentos leva à pessoa a bancarrota. As outras pessoas ao perceberem esta conduta começam a se afastarem, a te ver com outros olhos. Tudo que você conseguiu na vida com muito esforço começa a sair pelos ralos e quando você acordar poderá ser muito tarde, pois o bem raramente é percebido por outrem, mas os defeitos são fatalmente detectados, infelizmente. Aprenda a ser você mesmo sem atropelar ninguém, por exemplo: Se você é o “chefão”, o todo poderoso, não atropele o seu subordinado imediato. Deixe que ele sob suas ordens cuide do outros subordinados e assim por diante até chegar à base. Com este comportamento se consegue o sucesso no trabalho, nos estudos, dentro de sua casa e assim por diante. Sabia que o tal de “quem manda aqui sou eu” é o segredo do insucesso? Não é atoa que grandes empresas não tratam seus funcionários como empregados e sim por “colaboradores”. Nos meus estudos como Administrador eu aprendi uma coisa interessante – se você é o dono da empresa e está com dificuldades financeiras e às vezes tem que atrasar salários, comece a pagar primeiro os debaixo e vá subindo cada degrau até chegar a você, não faça o inverso, pois o apoio e a base é o que sustenta qualquer coisa, sem eles nada se sustenta. Fatalmente você terá sucesso e começará sair da crise, pois “colaborador” algum quer ver sua empresa se desabar, ao contrário, quando tratados com respeito, fará de tudo para ajuda-lo e a si próprio. Se você é um chefe no serviço público, faça melhor ainda e terá sucesso somado a respeito, pois você é pago pelo povo. Ontem mesmo, um amigo (Aldair) que observou minha luta para me colocar melhor no mercado de trabalho e vendo que eu consegui, me entregou calado um papelzinho que dizia: “Os obstáculos são os mesmos para todos. Os resultados são melhores para alguns”. Não é verdade? Até a próxima.

sexta-feira, julho 03, 2015

O Tempo Não Para, Não Volta e Nem Aceita Arrependimentos!

Agora posso entender porque, “ás vezes”, é necessário que as coisas aconteçam antes, para que o depois não seja mais dolorido. Até a própria história mostra isto. Um bom exemplo de reação imediata, em que tive o prazer de ver e viver, foi no ano mais conturbado da história contemporânea, 1968, onde aconteceram várias tragédias que começaram a mudar o mundo como a Guerra do Vietnã, a Primavera de Praga, os assassinatos de Martin Luther King e Robert Kennedy, As melhores músicas dos The Beatles e o AI-5. E assim começou no mundo e no Brasil uma série de transformações políticas, éticas, sexuais e comportamentais, que afetaram as sociedades da época de uma maneira irreversível. A parte negativa da história foi uma significativa porcentagem da juventude militante que se refugiou no consumo de drogas ou escolhesse o caminho da violência, da guerrilha e do terrorismo urbano. Mesmo assim, era a hora de acordar e agir, não perder mais tempo. Um toque foi dado pelo compositor Geraldo Vandré em sua música 2ª colocada no 2º Festival Internacional da Canção, “Pra não dizer que não falei de flores”, também conhecida como “Caminhando” que no seu refrão alertava: “Vem, vamos embora, que esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer”. Percebe-se aí que não se poderia mais ficar parado ou deixar para o “amanhã” o que deveria ser feito antes. Pena que depois de tanta luta para conseguir a “democracia e a igualdade” o povo novamente se acomodou por décadas e olha o que aconteceu e o que está acontecendo no mundo inteiro por não tomarem medidas necessárias para não chegar aonde chegou, como as crises da Grécia, Venezuela, Brasil e outros. Os governantes e políticos ao verem a acomodação popular deitaram e rolaram em caminhos inversos e principalmente da corrupção. Não deixando de falar também das novas guerras mundo afora, fome e falta de liberdade que não é nada mais, nada menos que um genocídio desenfreado. 

Agora entrando no “nosso” cotidiano, quando você tem um problema, as pessoas às vezes dizem: “dê tempo ao tempo porque ele é o senhor da razão e tudo se resolverá”. Claro que isto aí, dependendo de quem você ouve, pode ser interpretado com uma palavra amiga e de alento, mas a coisa não é bem assim. Mesmo que você entenda assim, não se pode deixar para amanhã o que se pode fazer agora, pois o tempo não é paciência, ele corre enquanto você fica parado, ele não para. Ele sempre estará na dianteira e, quando você acordar não poderá recuperar o que deixou de fazer. É igual a uma corrida de “fórmula um” que é decidida por segundos ou até décimos de segundo. Já dizia Mario Quintana: “A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas! Quando se vê, já é sexta feira! Quando se vê, já é natal... Quando se vê, já terminou o ano... Quando se vê perdemos o amor da vida. Quando se vê passaram 50 anos! Agora é tarde demais para ser reprovado... Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas... Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo... E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz. A única falta que terá será desse tempo que, infelizmente, nunca mais votará”. Assim sendo, seu problema poderá até ser resolvido com sua lentidão ao pensar que a pressa poderá deixar tudo a perder, só que enquanto você fica parado e pensando em que fazer, o tempo já passou e outros problemas poderão surgir. O que estou falando para vocês nada mais é que um autoaprendizado, pois eu era tudo isto aí que estou relatando e não tenho vergonha de admitir. Eu pensava que no amanhã eu resolveria o que estava precisando resolver hoje e, a maioria dos resultados era desastrosa. Quando eu acordava para a realidade, já tinha uma fila de outros problemas para resolver. Então aprendi, pelo menos, pisar no acelerador. Até a próxima.

sexta-feira, junho 26, 2015

Será Que Deus Existe?

Esta foi uma frase dita pelo pai do cantor sertanejo Cristiano Araújo após sua morte em um acidente de trânsito. Muita gente contestou esta frase. Muita gente o chamou de Herege ou coisa parecida. Só que quem está de fora da situação faz comentários sem saber o que uma pessoa dessas está passando em perder um filho tão novo, independente de quem seja famoso ou não. Certamente o pai do cantor fez esse comentário na hora da dor e do desespero, pois ele também falou que em todas as viagens que o cantor fazia, pedia a Deus que o protegesse. Infelizmente aconteceu o pior, sabe por quê? Vou tentar explicar minha posição sobre a frase e não pelo acontecimento. Deus existe para quem acredita que Ele é tudo, mas Deus não pode interferir em suas atitudes, pois Ele, além de te proteger, te deu o “livre arbítrio de escolha”, de como viver e se proceder. Ele, por exemplo, não pode te ligar para o tal de “zap-zap” e te dizer: “filho”, não entre neste carro sem cinto de segurança, ou: “filho, não pegue drogas”, ou: “filho, não mate”, ou: “filho, não roube seu irmão”, ou: “filho, não estupre, não roube, não maltrate as pessoas, não se acovarde para a vida, não destrua aquilo que meu “Pai” tanto sonhou para a humanidade”. Deus nos dá um caminho, basta à gente seguir seus conselhos. Quando falo acima sobre o cinto de segurança, o casal certamente pensava que nada aconteceria. No carro tinham quatro pessoas e os que faleceram não tomaram os cuidados para se protegerem. Foi por querer? Não, acho que foi apenas um ato disperso que custou muito caro para toda a família e para seus fãs. Deus não teve nada a ver com isto, pois como religiosos que eram independentes da religião, o erro foi de “alguém” e não de Deus. Você pode até dizer aqui que: “há, é porque não aconteceu com o Edu Doroteu”. Mero engano amigos, o meu problema foi muito mais sério do que você possa imaginar. Eu também perdi um filho e de maneira trágica. Muito mais que esta. 

Não vou entrar em detalhes para não pensar que quero comover alguém, mas meu maravilhoso e amigo filho escolheu o caminho dele e  Deus não interferiu. Por isso, não me venha culpar Deus por coisa alguma. Se fosse assim, se Deus escolhesse os que fossem morrer num tal dia, não existiria um 11 de setembro. Será que Deus, aleatoriamente escolheu estas pessoas sem que elas jamais se conhecessem e as mandaram para o mesmo lugar? Claro que não. Quem escolhe sua morte é você mesmo. Não porque quer morrer, mas pelos seus atos. O Brasil sempre se comove quando morre uma “celebridade”, mas esquece de tantas pessoas que morrem, não digo de fome porque o povo brasileiro é muito solidário, mas com doenças que adquirem por dormir nas ruas, frequentando “lixões” e ás vezes dependendo do lugarejo, até de fome, nas filas de hospitais públicos que nada têm a oferecer. Por um acaso isto é culpa de Deus? Claro que não amigos. Deus nos deu o “livre arbítrio” para escolhermos nossos caminhos. E te deu também o direito de você escolher as pessoas que iram te representar e te dar de volta seus direitos como cidadão cuidando de seus direitos básicos. E quando isto não acontece, você ao invés de culpar a quem você mesmo escolheu não deu retorno, olha pro Céu e diz: Porque  Senhor”, cobrindo um Santo e descobrindo o Outro. Isto me cheira hipocrisia. Este ponto político só foi um desabafo, mas voltando a tese se Deus realmente existe tenho a dizer com certeza que Ele só não existe como está aqui sempre ao seu, ao meu e ao lado de todos. Basta você perceber. Quando alguma coisa está boa em sua vida, você dá Graças a Deus, mas quando nada está dando certo, você o questiona. Deixe de ser hipócrita e olhe onde você está errando para não culpar ninguém pelo seu ato principalmente a Ele. Cada um tem o que merece. Cada um tem o caminho. Desejo ao pai do Cristiano meus pêsames assim como desejo a todas famílias das  mil e quinhentas pessoas que morrem no Brasil diariamente. Até próxima.

sexta-feira, junho 19, 2015

Você Pensa que Sabe, mas Talvez não Saiba!

Quem é você? Você sabe? Se souber me conte como descobriu e me ensine como saber quem sou. É como aquela intrigante e a mais famosa frase da literatura mundial da peça de “Willian Shakespeare” em “A tragédia de Hamlet”: “Ser ou não ser, eis a questão” que em minha visão consiste toda a dúvida e toda indecisão. Você pode interpretar de outra forma, mas na essência a palavra certa será sempre a dúvida. Se for assim, porque que você acha que sabe muito ou mais que alguém, no ponto filosófico, não no campo dos estudos ou formação profissional, é claro. Segundo a história. Sócrates, o precursor do autoconhecimento, foi chamado ao Templo de Delfos e lhe falaram que ele seria o homem mais inteligente do mundo. A partir daí ele começou a se confrontar com aqueles que diziam saber tudo. Mostrou que na verdade eles não sabiam de nada, e eram desmascarados quando suas verdades caiam em descrédito. Sócrates então disse se referindo a um homem que se julgava sábio: “Ele supõe saber alguma coisa e não sabe, enquanto eu, se não sei, tampouco suponho saber. Parece que sou um pouco mais sábio que ele exatamente por não supor que sabia o que não sei”.  Quem não se lembra da frase: “Só sei que nada sei” atribuída a Sócrates por seu discípulo “Platão”? Na verdade a frase, depois que pesquisei, era na verdade: “Todo meu saber consiste em saber que nada sei”. Perfeito e verdadeira esta frase, “Conhece-te a ti mesmo” que é o lema de toda sua vida de sábio. O que Sócrates quis dizer é que o autoconhecimento, além de ser a chave do progresso individual, é também um caminho eficaz para que o ser humano consiga crescer e desenvolver-se para ser uma pessoa melhor, ter uma vida melhor. Com ele, o autoconhecimento, é possível compreender nossas atitudes; mudar de hábitos; ter mais qualidade de vida; superar crises, pressões e períodos de mudanças; identificar melhor medos, traumas e bloqueios; investir no nosso potencial e evoluir. A vida é uma escada, um dia subimos, outros descemos. Concorda? 

Mas a coisa não para por aí. Junto a isto tem a questão do “Comportamento” para se conhecer. Temos que saber como somos de verdade! Se engraçados, tímidos, egoístas, soberbos, burros ou inteligentes, pois apesar de pensar que somos uma coisa, nosso comportamento pode mostrar o contrário, pois você pode mudar de atitudes, mas não de personalidade que é sua marca registrada. Se você me perguntar: Então o que devo fazer? Minha resposta neste caso de conhecimento interno será: Não sei, mas talvez seja começando a mudar nosso comportamento e mostrar que somos capazes de fazer coisas que jamais imaginemos mesmo sabendo que há comportamentos e atitudes que são muito difíceis de largar ou superar. Este é o grande desafio da vida. Conhecer a si próprio, ter consciência que podemos vencer o derrotismo e apegos e mudar o que for possível, pois como diz a psicóloga Mariângela Savoia: “Não existe nenhuma pesquisa científica que mostre que o ser humano não tem jeito”. Outro desafio também é saber que quando cair é se levantar com humildade, coragem e perseverança. Quando você passar por situações difíceis e consegue reagir, mostra que você está começando a “Conhecer a ti mesmo”. Essas regras são fundamentais para começar a subir a escada. Esqueça que você sabe tudo, comece do “zero”. Esta atitude não é humilhante, ao contrário, é louvável e corajosa. Não se deixe levar por comentários de pessoas vazias que não conhecem a si próprias e não enxergam os seus próprios pés. E quando conseguir isto olhe sempre para o primeiro degrau que você pisou. Será uma forma de você saber o quando é difícil a subida e fácil à descida. Claro que eu e você jamais seremos um “Sócrates”, mas podemos pensar igual a ele e seguir seu exemplo de quanto mais sábio, mais humilde em declarar publicamente que ninguém sabe tanto ao ponto de descobrir que na verdade nada sabe. Eu que já passei e estou passando por estas situações, admito que “nada sei”, mas estou aprendendo. Até a próxima.
“ACREDITAR é o primeiro passo para o MILAGRE”

terça-feira, junho 16, 2015

Quem és tu que queres julgar e não arriscar?

Vocês já notaram que as pessoas julgam outras sem ter a mínima ideia de quem são, e o pior, sem jamais tê-las visto e, se viu não a conheceu intimamente antes de fazer seu julgamento sobre elas? Eu entendo em que no mundo que vivemos atualmente às vezes temos certo temor em se aproximar, se relacionar ou fazer algum tipo de negócio com elas por não saber direito de quem se trata. Até aí tudo bem, mas como tudo na vida é um risco desde primórdios, porque temer? É como disse o escritor e orador norte-americano e pioneiro em livros de autoajuda (1883-1995), “Dale Carnegie”: “Arrisque-se! Toda vida é um risco. O homem que vai mais longe é geralmente aquele que está disposto a fazer e ousar. O barco da “segurança” nunca vai muito além da margem”. Você concorda com ele? Pois eu concordo. Por isto que existem pessoas que ao ter uma oportunidade, arriscam-se, ousam e tentam um novo negócio ou até mesmo uma mudança de vida. O filósofo romano “Sêneca” é o autor da seguinte frase: “Sorte é o que acontece quando a preparação encontra a oportunidade”. Ele quer dizer que se você está sempre à procura da oportunidade e está preparado para enfrenta-la, então poderá aproveitá-las ainda mais. Certas dicas de especialistas dizem que quanto mais pessoas estiverem com você, mais oportunidade elas podem trazer, inclusive amigos, parentes e etc. O mais importante é saber escolher quem você quer por perto, para não jogá-lo pra baixo e fazer desistir de uma oportunidade que pode ser única. Sendo assim, não se deixe levar pelas circunstâncias e problemas superficiais. Concentre-se naquilo que você busca. Deixe para cada dia seu próprio mal e não antecipe coisas que podem ser resolvidas no devido tempo. Seja otimista, pois pessoas otimistas são vencedoras, mesmo que demore a acontecer o sucesso. Se você tem medo quando uma pessoa lhe dá uma oportunidade ao pensar que como dizem por aí “que esmola demais o Santo desconfia”. Esqueça e arrisque. 

Nunca pare de aprender. Aprender com os erros, com o sucesso dos outros e com oportunidades ignoradas. Todos os dias há imensas chances esperando para ensinar você algo novo. Reciclar as opiniões e ideias é estar aberto para novas e melhores oportunidades. Arriscar e errar são coisas comuns. Tanto é que os maiores empresários no mundo todo tentaram mais de uma dezena de vezes até encontrar o caminho do sucesso e hoje estão aí nadando de braçadas, sem sequer ser político, funcionário público ou se aposentando com um emprego sólido que vai deixá-lo, mais ou menos estabilizado com um salário que um dia, com constantes mudanças na política econômica, aquele “dinheirinho tão sagrado”, qualquer hora não dará nem para pagar a conta de energia elétrica ou colocar gasolina, sendo otimista, no seu velho carrinho. Todos sabem que para passar em um “concurso público” não é para qualquer um. Não por falta de capacidade, mas pela dificuldade de se dedicar apenas aos estudos durante 2 a 4 anos para ter sucesso. Muitos conseguem, mas são os que podem pagar cursos caros bancados pelos “papais e mamães”. Claro que existem aqueles que com muito esforço conseguem. Uma minoria com mentes brilhantes, coisas que não se aprende em escolas ou cursinhos, pois “Einsteins” são poucos. A saída neste caso, caso queira sucesso a pessoa tem que arriscar em ser um empreendedor, pois é ele que gira a economia, dá empregos e pagam os impostos mais caros do mundo, no caso do Brasil, para que encham o cofre do governo para dar retorno ao seu povo, coisa que "nunca" aconteceu. Parece uma coisa insana, mas quando estamos dispostos a arriscar, encontrar parcerias, aproveitar as oportunidades que surge, o que mais vimos são pessoas que nos desestimulam mesmo aquelas mais próximas. É aí que eu me lembro de “Dante Alighieri”: “Quem és tu que queres julgar, com vista que só alcançam um palmo, coisas que estão a mil milhas”? Think e até a próxima.